Área Restrita

MEC desenvolve plataforma nacional digital da educação

03/04/2013
Notícias
Institucional

Investimento será feito inicialmente para o Ensino Médio

O Ministério da Educação (MEC) está elaborando, em conjunto com secretarias, organizações sem fins lucrativos e empresas, uma plataforma nacional digital para a educação básica. A ideia é que ela ofereça aulas digitais estruturadas, com objetos de aprendizagem variados (vídeos, textos e jogos), e um conteúdo esquematizado - mas de modo com que cada rede ou escola organize seu currículo. A plataforma começou a ser pensada em fevereiro e deve ser lançada no início do ano que vem.

A ideia é de que as aulas digitais tenham níveis de complexidade, para que alunos em diferentes fase de evolução possam escolher o que fazer - objetivo é que haja opções do tipo de aula. O portal deve contar ainda com um sistema de avaliação que, além de monitorar o que o aluno aprendeu, já o direcione para um exercício ou conteúdo específico.

O plano inicial era começar a construção do projeto com uma plataforma voltada para os anos finais do ensino fundamental (do 6.º ao 9.º ano). Mas, segundo o jornal O Estado de S. Paulo apurou, por causa da preocupação do governo federal com o ensino médio, essa etapa não será deixada de lado já no início. Se for para aplicar recursos federais na produção de conteúdos digitais, esse investimento será feito para suprir o ensino médio.

Desde o ano passado, a pasta está mobilizada com secretarias estaduais para fortalecer uma nova identidade para essa etapa. E, nesse plano, a tecnologia teria papel fundamental.

O conteúdo dessa nova plataforma estaria organizado de acordo com as expectativas de aprendizagem baseadas nos descritores da Prova Brasil. Além de prever a produção de conteúdo especialmente para formar o portal, o projeto também deve reunir iniciativas bem-sucedidas realizadas pelo País.

A ideia de um modelo nacional surgiu de uma dessas iniciativas, a da cidade do Rio de Janeiro. As escolas cariocas contam desde 2011 com a Educopédia, plataforma de conteúdo digital. Como todo o material é aberto, cerca de 200 municípios utilizam formal ou informalmente. `Em uma visita de integrantes do MEC ao Rio, começamos a pensar o que seria uma plataforma nacional, que pudesse ser customizada para cada Estado`, explica a secretária municipal de Educação do Rio, Claudia Costin.

Segundo ela, cada rede poderá colocar seu próprio sequenciamento de aulas e currículo e também customizar conteúdos. `Apesar de ser mobilizada pelo MEC, com participação nossa e de outras secretarias, ainda haveria a possibilidade de as redes recriarem para diferentes contextos, sem que nada seja idêntico.`

A secretária lembra que durante muito tempo houve um debate sobre se colocar computadores na escola era desperdício, `e, de fato, só essa presença não mexeu com o processo de aprendizagem`. `Mas hoje o computador entrou como ferramenta de apoio ao professor e de aprendizagem do aluno. A utilização adequada de portais de aprendizagem permite uma educação personalizada, sem perder a escala`, diz ela, citando o que tem sido feito com o novo modelo de escola criado na cidade, o Gente, como mostrou reportagem publicada no domingo (31/03) no Estado.

COLABORAÇÃO - Além de aulas prontas (divididas em três níveis de complexidade), a plataforma deve ser equipada com ferramentas de customização e criação de novas atividades, áreas de compartilhamento e orientações para os professores.

Um grupo de instituições e empresas já está participando das conversas. `Há uma série de inovações que a iniciativa privada pode trazer, além de reunir esforços para um projeto único`, diz Anna Penido, diretora do Instituto Inspirare e portal Porvir. Anna tem colaborado na sistematização de uma proposta e também no mapeamento de ações realizadas pelo País e que podem ser aproveitadas.

Fonte: Estado de S. Paulo.

Veja Também

12/05/2012
Institucional

fsp-realizara-i-semana-de-enfermagem

    Programado para os dias 14,15 e 16 de maio, às 19 horas, no auditório da instituição o evento terá como principal objetivo oferecer atividades extra-sala para os acadêmicos de saúde da Faculdade São Paulo (FSP). Para tanto, foram convidados os palestrantes Diogo Nogueira do Casal, especialista em Políticas Públicas e Gestão Estratégica em Saúde, atualmente exerce o cargo de conselheiro do Conselho Regional de Enfermagem de Rondônia – COREN/RO, que abordará o tema “Exercício da Enfermagem e a Formação do Profissional”; Dr. Telmo José AvilaSavoldi, especialista em Psiquiatria e Psicodrama, médico atuante em Ji-Paraná, na Center Clínica, Centro de Atenção...

11/06/2018
Graduação

Acadêmicos do 7º período de Farmácia realizam o Projeto Mão Amiga

Acadêmicos do 7º período de Farmácia realizaram o Projeto Mão Amiga, juntamente com a coordenação do curso e com as professoras Giovana Rodrigues e Joceni Ostrowski. O projeto aconteceu no sábado (9), na Escola Monteiro Lobato, em Rolim de Moura (RO).   Os acadêmicos foram os responsáveis pela elaboração, organização e execução de todo o projeto. E, durante o evento, prestaram os seguintes atendimentos: coleta de preventivo, tipagem sanguínea, teste de glicemia, aferição de pressão, limpeza de pele, testes rápidos, corte de cabelo, palestra...

16/07/2013
Institucional

com-dez-vetos-dilma-sanciona-ato-medico

Com os vetos, outros profissionais de saúde poderão formular diagnóstico e prescrever terapias. (Fonte: Agência Brasil) A presidente Dilma Rousseff sancionou nesta quinta-feira, 11, com dez vetos, a lei que disciplina o exercício da medicina no país. O texto foi publicado no Diário Oficial da União (DOU). A questão mais polêmica, referente à responsabilidade pela formulação do diagnóstico e pela prescrição terapêutica, foi vetada pela presidente para não prejudicar inúmeros programas do SUS (Sistema Único de Saúde). Também conhecida como Lei do Ato Médico, a norma determina que são privativas do médico atividades como indicação e execução de intervenção...

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem