Área Restrita

Brasil desponta como referência em cursos de pós-graduação

05/06/2012
Notícias
Institucional

 

Busca pela especialização é meta de grande parte dos formandos do ensino superior brasileiro.

Ainda durante a graduação, muitos estudantes começam a pensar no que fazer depois de pendurar o diploma na parede. A carreira acadêmica é uma das opções e, em mestrado e doutorado, o Brasil desponta como referência. De acordo com o Institute for Scientific Information, considerado a primeira indústria da informação interdisciplinar, o País aparece entre os líderes em publicação acadêmica nas áreas de Agricultura, Ciência de plantas e animais e Ciências sociais. Responsável pelo ranking de qualidade de cursos e instituições brasileiras, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) aponta o número de publicações como um dos critérios de avaliação. As notas máximas indicadas pela instituição, 6 e 7, equivalem "ao alto padrão internacional".

Ciências da agricultura é a área acadêmica com maior quantidade de material acadêmico publicado - alcançando a segunda colocação mundial, com 7,85% da produção. Entre as mais bem colocadas, estão a Escola Superior de Agricultura (Esalq) da Universidade de São Paulo (USP). Na área de Agronomia, mestrado e doutorado em Genética e melhoramento de plantas e em Solo e nutrição de plantas recebeu nota máxima na avaliação da Capes, realizada em 2010. Classificação semelhante alcançou a pós-graduação em Entomologia.

Segundo o coordenador do programa de pós-graduação em Entomologia da Esalq, José Maurício Simões Bento, a qualidade das linhas de pesquisa está ligada ao corpo docente e discente. "Temos recursos humanos muito bons. Nossos professores são reconhecidos nacional e internacionalmente, o que acaba destacando muito o programa. Pertencer à USP também nos confere estrutura de pesquisa e ensino do mais alto nível", diz. O professor destaca que recursos de projetos nacionais e internacionais também ajudam a manter uma pesquisa de ponta. "Temos força de pesquisa e alunos muito bem selecionados. A concorrência é grande, e isso faz com que tenhamos um ciclo vantajoso", acrescenta.

Atualmente, a pós em Entomologia tem 89 alunos - 34 de mestrado e 55 de doutorado. "Todos os nossos estudantes têm bolsa. Também temos vários estudantes estrangeiros, principalmente da América Latina. Já tivemos inclusive estudantes africanos. O reflexo da nossa qualidade está no fato de que somos pioneiros na área agrária. Hoje, de 40% a 50% dos docentes em Entomologia do Brasil passaram por aqui, o que faz a Esalq ser reconhecida na formação de pesquisadores", afirma. Além da Escola de Agronomia e do Centro de Energia Nuclear na Agricultura da USP, a Universidade Federal de Viçosa (UFV) elenca cursos com nota máxima pela Capes.

Em Ciências de plantas e animais, segunda área em que o Brasil mais produz publicações acadêmicas - é o quinto colocado no mundo, com 6,04% da produção -, a UFV também recebeu nota 7. Para o coordenador do programa de pós-graduação em Zootecnia, Odilon Gomes Pereira, produção científica, qualificação do quadro docente, inserção internacional e publicação em periódicos internacionais estão entre os motivos da boa colocação. "Nosso corpo docente é muito qualificado. No caso da pós em Zootecnia, desde que o programa foi criado, sempre recebeu nota máxima. O mestrado foi o primeiro criado no Brasil. Com 50 anos de curso, já formou em torno de 1,5 mil mestres e doutores. Atualmente, temos 170 estudantes, sendo dois terços de doutorado", explica o coordenador.

Referência na área, o curso recebe estudantes estrangeiros, principalmente da América do Sul. "No último triênio, recebemos 17 estudantes do Peru, Argentina, México. Acreditamos que agora, com o Ciência Sem Fronteiras, esse número vá aumentar", diz.

Segundo dados do Institute for Scientific Information, Ciências Sociais está em terceiro lugar na produção científica brasileira. A área abrange cursos como Economia, Comunicação, Direito, Arquitetura e Urbanismo, Administração, Turismo e Serviço Social. O ranking indica que, no mundo, o Brasil é responsável por 2,44% das publicações na área, ocupando a oitava colocação. Apontado pela Capes como um dos critérios decisivos de avaliação, a publicação acadêmica é responsável pelo reconhecimento de instituições - o que facilita o intercâmbio de informações entre corpo docente e discente.

 

Fonte: Terra

Veja Também

27/03/2017
Graduação

Alunas de Biomedicina atendem a população no Feirão Mazzutti

Na última sexta-feira (24), a empresa Mazzutti realizou um feirão de automóveis na pista de kart. Ao fechar parceria com a Faculdade São Paulo, abriu espaço para que algumas alunas de Biomedicina atendessem a população durante o Feirão Mazzutti. Na ocasião realizaram tipagem sanguínea, glicemia capilar, aferição de pressão arterial, além de sanar dúvidas da população referente a importância de alguns testes, a eficiência do plano alimentar, da medicação oral e, principalmente, da administração de insulina. Essas ações...

06/04/2016
Institucional

Acadêmicos da FSP realizaram Projeto Social na Escola Maria Rabelo

No último dia 02 de abril (sábado), das 14h às 19h, acadêmicos da Faculdade São Paulo (FSP) realizaram diversas atividades sociais na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio, Maria do Carmo de Oliveira Rabelo, em Rolim de Moura (RO). A ação contou com a parceria dos acadêmicos do 1º período do curso de Educação Física, supervisionados pelo Coordenador Gildo Ramos e Prof.º João Jacques Coelho; acadêmicos do 5° período de Biomedicina, além do Coordenador Maykon Fabiano de Almeida e Prof.º Jorge Pedro Soares; acadêmicos do 5°, 7° e 9° período de Enfermagem, além da Coordenador Janaina Teodosio Travassos Loose e o professores Quezia dos Anjos e Ivonilde Leal; acadêmicos...

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem